Quais são os coletes ortopédicos com maiores evidências científicas?

Basicamente os ortopedistas e os ortesistas no Brasil indicam dois tipos de coletes ortopédicos no tratamento da escoliose idiopática do adolescente. São eles o Colete Milwaukee e o Colete Boston, mas eles realmente funcionam?

De acordo com o SOSORT International Conference on Scoliosis 2015 (Consenso anual sobre as maiores evidências científicas no tratamento da Escoliose), diz que:

Curvaturas escolióticas de 25 a 45 graus de Cobb: O uso dos coletes ortopédicos durante é indicado durante a fase de crescimento de crianças e adolescentes, para prevenir a progressão da curvatura, enquanto o crescimento da coluna vertebral. Em conjunto com o colete ortopédico é indicado o Tratamento Científico da Escoliose pelo Método SEAS ou Método Schroth é de fundamental importância para a preparação e para orientações para o uso do colete ortopédico.

Mais quais são os coletes ortopédicos mais utilizados no mundo baseado nas mais fortes evidências científicas?

As maiores escolas do Tratamento Científico da Escoliose SEAS e Schroth recomendam o uso de coletes que apliquem correções tri-dimensionais, que sejam rígidos e atuem de forma ativa no paciente, são eles:

Colete Rigo Chêneau

captura-de-tela-2016-09-24-as-19-07-20

Foi desenvolvido em 1960 na França e na Alemanha e atualmente é um dos mais aceitos e utilizados a nível mundial, durante a Formação que realizei no Método Schroth em Hong Kong este colete é o recomendado para tratar de escolioses em conjunto com os Exercícios Científicos, por se tratar de um colete rígido e fornecer correção em 3-dimensões.

Em estudo recente de Ovadia, Eylon e Mashiah (2012), foi observado melhora de 25% da correção no ângulo de Cobb, e estabilizou em cerca de 23% das curvas. A conclusão do estudo é que o Colete de Cheneau não só interrompe a progressão, mas possivelmente melhorar a curve.

Colete de Sforzesco

captura-de-tela-2016-09-24-as-19-07-34

Desenvolvido  em Milão na Itália, no ISICO – Istituto Scientifico Italiano Colonna Vertebral, onde me formei pelo Método SEAS. Por Stefano Negrini e Gian-franco Marchini em 2004.

Este colete tem a sigla de “SPORT”  que são a base para a eficácia do tratamento (Simétrico, Orientação-paciente, rígido, Tridimensional e Ativo).

Este colete é um compilado dos coletes Lyon, Chêneau-Sibilla, e Milwaukee.

No estudo de Gabos et al (2004), onde comparou os coletes de Sforzesco X Lyon no tratamento de escolioses com curvas em média de 38° de Cobb, foi observado em seus resultados após seis meses de tratamento que, o colete de Sforzesco obtiveram 80% de melhorar e nenhum paciente piorou. Já nos pacientes que utilizaram o colete de Lyon, 53% dos pacientes melhoraram, enquanto 13% pioraram.

 

Além disso, é imprescindível um Tratamento Científico da Escoliose que tem mostrado evidências científicas na melhora da curvatura. Como neste estudo realizado em 2008, concebido para confirmar se o indicação para o tratamento com exercícios específicos para Escoliose Idiopática do Adolescente se alterou nos últimos anos, descobriram que, com apenas uma única exceção, todos os estudos confirmaram a eficácia dos exercícios na redução da taxa de progressão (principalmente na puberdade precoce) e/ou a melhorar a curvatura da escoliose pelo Cobb ângulo.

Leve em consideração a importância de receber um tratamento individual específico com base nas mais fortes evidências científicas, evitando o uso dos coletes ortopédicos e de possíveis cirurgias.

Agora que você entende a importância de não só fazer exercícios, mas também trabalhar de forma científica e específica com técnicas internacionais  para alcançar os seus resultados, não perca tempo.

Dúvidas? Fale comigo! Vou esclarecer tudo para você.

Comente!