Dor lombar crônica: Devo operar ou fazer fisioterapia?

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), 85% da população têm ou terá pelo menos um episódio de dor nas costas. As dores lombares, popularmente conhecidas como dores nas costas, são desconfortos na região baixa das costas – lombar.

Muitas vezes minimizada pelas pessoas com a ideia que logo a dor irá passar, a dor lombar crônica (aquela que tem a duração maior que 3 meses e pode chegar a anos). Na maioria das vezes, o primeiro tratamento buscado pela pessoas é o tratamento medicamentoso. Se a dor continua, normalmente as pessoas acabam buscando a fisioterapia do convênio, que na maioria das vezes é praticamente uma hora de eletroterapia (o famoso “choquinho”, clique aqui e leia outro artigo sobre este tema). O grande problema é que, tanto o medicamento quanto o “choquinho”, têm uma ação somente na dor ou na inflamação, mas não irão tratar a causa do problema, ou que levou a ter a dor ou a inflamação, e surge como um dos grandes empecilhos do bem-estar na rotina das pessoas.

E com o passar dos anos convivendo com a dor, a “única solução” que parece solucionar todos os problemas é a cirurgia, certo? Então, para dor lombar crônica: Devo operar ou fazer fisioterapia especializada?

Veja o estudo que acaba de sair em uma das mais conceituadas revistas científicas do mundo, na The Spine Journal , em 2016, confira o resultado!

dor lombar operar ou exercicios

Nos resultados a longo prazo de todos os estudos controlados randomizados demonstram que, a fusão não é melhor do que o tratamento não-operatório na melhora da dor e incapacidade em lombalgia crônica!!!

Dor lombar crônica (LBP) representa um enorme desafio aos nossos sistemas de cuidados de saúde. E tentar ententer se o tratamento cirúrgico destes pacientes com dor lombar crônica é ou não benéfica com o passar dos anos é uma importante questão de saúde pública.

As diretrizes atuais defendem o uso de multidisciplinar programas de reabilitação cognitiva-comportamental e exercício como tratamentos de primeira opção para lombalgia crônica, com a cirurgia de fusão sendo considerada apenas se tais tratamentos conservadores estiverem indisponíveis ou não conseguiram melhorar a condição do paciente.

Os recentementes  resultados publicados  a longo prazo de três ensaios clínicos randomizados, realizadas no Reino Unido e na Noruega, não foi encontrada nenhuma evidência para a superioridade de cirurgia na reavaliação após 11 anos (follow-up).

Desta maneira, a literatura atual não indica a cirurgia de fusão da coluna lombar, antes de realizar um tratamento fisioterapêutico, por meio de exercícios baseados nas evidências científicas.

Para usufruir dos benefícios da fisioterapia baseada em evidências científicas, é fundamental o auxílio de um profissional com especialização internacional no tratamento da coluna vertebral. Somente ele, poderá tecer o diagnóstico correto e indicar o tratamento adequado à sua situação.

Que tal investir em sua saúde e fazer um tratamento realmente especializado?

Comente!