A cidade de Campinas é pioneira em criação de “Semana de Conscientização sobre a Escoliose Adolescente”, desvio de coluna que afeta milhões de pessoas em todo mundo

A Câmara Municipal de Campinas aprovou em 2017 o projeto de lei do vereador Rafa Zimbaldi (PP), com orientação do fisioterapeuta Rodrigo Andrade, que cria a “Semana Municipal de Conscientização sobre a Escoliose Idiopática Adolescente”, que será realizada todos os anos, sempre na última semana do mês de junho – mesmo período que acontece o “Dia Internacional da Conscientização sobre a Escoliose” (Internacional Scoliosis Awareness Day) sempre no dia 27 de junho. O PL aprovado no período da semana citada, o poder Executivo e o Legislativo concentrem esforços no intuito de desenvolver ações como palestras e debates em espaços e escolas públicas, campanhas educativas de informação e conscientização da população sobre a escoliose idiopática do adolescente que, apesar de atingir aproximadamente 10,5 milhões de pessoas em todo mundo, no Brasil, ainda é uma doença pouco conhecida do grande maioria das pessoas.

A escoliose idiopática (não tem uma causa definida) do adolescente atinge mais as meninas do que os meninos, e pode progredir durante a fase do estirão do crescimento de 10 a 14 anos aproximadamente. Na grande maior das vezes, o desvio passa despercebido pelos pais e pela criança, que só se torna perceptivo após a progressão da curva ou seja quando se agrava, por se tratar de um desvio progressivo, se não houver tratamento adequado a angulação, vai aumentando e pode chegar a graus elevados que obrigam os adolescentes a passarem por graves cirurgias na coluna vertebral, que poderiam ser evitadas.

A escoliose atinge milhões de pessoas no Brasil e no mundo, segundo estudos científicos e a OMS (Organização Mundial da Saúde), cerca de 2% da população, o que significa mais de 5 milhões de brasileiros), por não ter cura, o tratamento deve ser realizado de forma conservadora (exercícios e coletes) de maneira eficaz para que o problema não se agrave com o passar do tempo. Como a doença tende a progredir na adolescentes e causa ainda não foi definida pela ciência, é classificada como “idiopática”.

Alertamos com relação a conscientização da escoliose, inicalmente, sobre a importância da detecção precoce a doença. Na maioria das vezes, um simples exame visual ou com auxilio de instrumentos baratos ou aplicativos de celulares (escoliômetro), como por exemplo o teste de Adams, que se trata do adolescente ficando de pé (de sunga ou biquíni) e fletindo (dobrando) o corpo para frente como se fosse tocar os pés, desta maneira é possível enxergar a gibosidade (o desvio na coluna e das costelas). Uma vez detectada precocemente, e havendo um tratamento adequando, evita-se a piora do quadro, que tem uma tendência a piorar na fase de crescimento. Há países em que este teste visual simples é obrigatório nas escolas e isso ajuda consideravelmente, a detectar precocemente o desvio da coluna, antes das curvas atingirem graus maiores que necessitem de cirurgia, no Brasil esta prática, infelizmente ainda não ocorre ainda.

Esta metodologia, foi utilizada na pesquisa realizada pela nossa equipe de pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) em escolas públicas estaduais do interior de São Paulo, onde foram avaliados 2562 crianças, sendo elas 1490 meninas e 1072 meninos, com idade entre 10 e 14 anos, a conclusão deste estudo pioneiro sobre a prevalências da escoliose na América Latina, foi uma prevalência de 1,5% de escoliose, dados parecidos com a prevalência mundial.

No Brasil, a grande maioria dos médicos recomendam em suas condutas para pacientes com escoliose, a Observação – termo utilizado em todo mundo chamado como “Esperar para ver”, vale ressaltar que é extremamente perigoso, uma vez que se trata de uma doença progressiva; Natação – que não se trata de um tratamento, e sim de uma atividade física; Fisioterapia – como RPG e Pilates, técnicas ainda não testadas pela a ciência; Coletes Ortopédicos – contudo, a maioria dos coletes utilizados no Brasil tem baixa evidência científica; e Cirurgias de fusão – este tipo de tratamento, deve ser indicado em último caso, quando o tratamento conservador não obteve sucesso. Destaca a justificativa do Projeto de Lei, pela razão de uma maior conscientização como propõe esta Semana Municipal de Campinas, poucos sabem, mesmo profissionais da saúde, sobre a existência de coletes que corrigem de forma tridimensional as curvas escolióticas. Tampouco é conhecida a existência de exercícios científicos para escoliose que, são realizados isoladamente (curvas abaixo de 25 graus de Cobb, segundo consenso internacional), ou em conjunto com o uso dos coletes ortopédicos (curvas entre 25 a 50 graus de Cobb), podem conter e ou até reduzir os ângulos das curvaturas. Estes tratamentos, exercícios científicos, como o SEAS (Scientific Exercises Approach to Scoliosis) e o Schroth, são mais conhecidos na Europa e com mais estudos científicos comprovando sua eficácia, porém são poucos os fisioterapeutas especializados e que utilizam estas técnicas no Brasil.

“Estamos certos que uma maior divulgação e conscientização sobre a escoliose idiopática do adolescente possibilitará que os pais, responsáveis e os adolescentes possam detectar a doença precocemente e, com isso, iniciar o tratamento mais precocemente e aumentando as chances de recuperação e estabilidade, evitando futuras cirurgias na coluna e outras complicações. Da mesma maneira, o debate e conhecimento de métodos pouco divulgados e com eficiência cientificamente comprovada, inclusive em nossa cidade – pode auxiliar as pessoas que sofrem com o problema a ter mais opções para conquistarem uma melhor qualidade de vida e evitarem complicações futuras”, finaliza Rafa Zimbaldi criador do Projeto de Lei.

Assista a Participação na Camara dos Vereadores de Campinas e TV Câmara do Prof. Rodrigo Andrade na “Semana Municipal de Conscientização sobre a Escoliose Idiopática Adolescente” sobre a “A Importância de uma Intervenção de Saúde Pública na Escoliose”:

Fonte: http://www.campinas.sp.leg.br/comunicacao/noticias/2017/marco-1/pl-de-rafa-zimbaldi-propoe-criacao-de-semana-de-conscientizacao-sobre-a-escoliose-adolescente-desvio-de-coluna-que-afeta-milhoes-de-pessoas-em-especial-meninas-a-partir-dos-onze-anos

Comente!